Formação de Psicoterapeutas Clássicos de Xamanismo Transcultural

Estudos Antropológicos Teórico-Práticos

Nos grandes centros urbanos, o Xamanismo tem sido associado a práticas espirituais bastante questionáveis do ponto de vista ético, que em nada dignificam um legado antropológico rico em práticas psicoterapêuticas focadas na homeostase sistémica.

O Xamanismo é a psicoterapia (com evidências históricas) mais antiga da humanidade e possui um princípio clássico: tudo possui vida; mesmo as rochas, a água, as montanhas ou uma pequena flor, são energias, repletas de informação e sabedoria.

E para além destes elementos da nossa realidade vulgar, no Xamanismo exploram-se e usam-se também (para a cura e o bem-estar) os elementos da realidade invulgar, ou dimensões paralelas supratridimensionais – algo que a física quântica está a começar a entender através da teoria das supercordas e da possibilidade do multiverso.

Este curso radica no facto de existirem diversas sociedades humanas, muito distanciadas espacialmente entre si (e.g., os Tungus Siberianos, os Aborígenes Australianos e os Jívaro Sul-Americanos), que possuem práticas xamânicas muito idênticas e que se têm mantido intactas à erosão do tempo – graças à sua eficácia.

"No dia do teu nascimento, choraste e o mundo alegrou-se. Vive a tua vida de modo a que, no dia da tua morte, o mundo chore e tu te alegres" (do povo Cherokee).

E se o método científico for aplicado ao Xamanismo?

É isso mesmo.

Neste curso os formandos colaboram (facultativamente) num estudo científico sobre a efetividade psicoterapêutica de um compósito de práticas xamânicas transculturais.

Trata-se de um curso pioneiro, onde, pela primeira vez, se aplicam métodos mistos de investigação científica, no sentido de aferir: as práticas xamânicas funcionam mesmo?

Os resultados do nosso estudo preliminar deram uma resposta afirmativa. Mas, será que com a ampliação da amostra (de formandos e de voluntários), se mantêm os resultados sobre a efetividade do xamanismo?

Conforme Krippner (2002) os investigadores têm dissertado (em estudos sobre o xamanismo) com um teor predominantemente pejorativo (talvez até projetivo).

Com o nosso estudo, sugerimos um novo olhar sobre o xamanismo: uma psicoterapia clássica, que pode ser estruturada e testada cientificamente conforme ocorre com outras psicoterapias.

Assim, mais do que teórico, este é um curso prático onde se aprende fazendo. Mas, fazendo de uma forma cientificamente estruturada, ajustando as práticas xamânicas milenares às demandas e às realidades contemporâneas.

Este é um curso para pessoas com uma mentalidade integrativa, não-sectária e com interesse ontológico. Porque o ser humano é mais que apenas o «humano».

O «ser» faz parte do «ser humano».

E é no estudo do «ser» que (da nossa perspetiva) se encontra o «ouro» que complementa e torna inteiro o estudo sobre o «ser humano».


Por favor, consulte as perguntas frequentes neste PDF (Secção 6) para obter respostas sobre os pré-requisitos, o xamanismo como psicoterapia clássica, o xamanismo como profissão, os testes de avaliação, entre várias outras questões (como as sobre o lado patológico do xamanismo, e.g., feitiçaria, magias negras, alucinogénios).

Leia aqui todas as informações sobre a FORMAÇÃO DE PSICOTERAPEUTAS CLÁSSICOS DE XAMANISMO TRANSCULTURAL: ESTUDOS ANTROPOLÓGICOS TEÓRICO-PRÁTICOS


ICI Talks sobre Xamanismo Transcultural

Por Sandra Ramos

A perda e a recuperação de partes da alma.

Resultados preliminares de estudos científicos.

VER AGORA

Por Jorge A. Ramos

Xamanismo e ciência.

O xamanismo como psicoterapia.

VER AGORA